O que é o Cancro de Pele - Principais cuidados a ter com o Sol

Cancro de Pele

Cancro de Pele

Cancro de Pele

Com a chegada do verão, chega a vontade de conseguir um tom de pele bem bronzeado e para tal começam as idas à praia e aos solários. Nesta missão de bronzeamento nem sempre se cumprem os cuidados essenciais numa exposição solar e muitas vezes esquece-se que a ausência dos mesmos pode provocar, em casos extremos, o cancro de pele. Para quem não tem uma ideia bem estruturada sobre este assunto, vamos aqui deixar alguns esclarecimentos que podem ser úteis.

O que é o cancro de pele?

O cancro de pele é um tumor formado por células da pele, que sofrem alterações. Estas modificações levam a uma multiplicação desordenada das mesmas dando origem a um novo tecido, a neoplasia. O que está na base desta alteração das células é principalmente, a exposição prolongada e repetida à radiação ultravioleta do Sol, ou à utilização incorrecta de técnicas de bronzeamento artificial que funcionam pela emissão das mesmas  radiações. Também a intoxicação por produtos do alcatrão que se traduz significativamente pelo hábito de fumar, a intoxicação por arsénico, feridas crónicas que não cicatrizam especialmente queimaduras, a predisposição ou deficiência genética que impede o reparo dos danos causados pelo raio ultravioleta, são factores que tornam as pessoas mais propensas a desenvolver algum tipo de cancro de pele.

Qual o principal causador do cancro de pele?

De todos os factores que podem estar na base de um cancro de pele aquele que aparece como responsável por cerca de 90% dos casos é a exposição excessiva as radiações ultravioletas, isto porque o sistema imunitário da pele sofre um enfraquecimento quando exposto a acção dos raios proveniente da luz solar, que acaba por danificar as células da pele. A gravidade dos danos causados pelos raios solar, em situações de elevada exposição, não são eliminados pelo sistema de reparação da pele, o que leva a uma multiplicação descontrolada das células que sofrem mutações e originam o cancro da pele, que pode mesmo surgir anos mais tarde.

Que tipo de cancros de pele existem?

O cancro de pele pode manifestar-se essencialmente em três tipos: Basalioma ou Carcinoma Baso-Celular, Carcinoma Espino-Celular ou Pavimento-Celular e Melanoma Maligno. Este último é o mais perigoso de todos eles, surge como uma pequena pinta escura na pele que se vai deformando e mudando de cor.

O que pode ser feito ao nível da prevenção?

Sabe-se que quando diagnosticado cedo a taxa de cura de um cancro de pele é elevada, por isso é essencial que dê atenção a algumas sinais que o seu corpo pode apresentar. Pode mesmo criar o hábito de fazer um auto exame ao seu corpo estando especialmente atenta ao aparecimento recente de um sinal de cor negra, assim como, à ocorrência de modificações de um sinal já existente no que diz respeito ao seu tamanho, forma, cor, aparecimento de comichão. Outros aspetos a ter em conta são: o surgimento de uma ferida no sitio de um sinal ou o sangrar fácil deste.

Quando diagnosticada esta doença a sua forma de tratamento vai depender do tipo de cancro, da sua localização, da idade do paciente e ainda se esta é a primeira vez ou não, que ele surge no local.

Que tipo de tratamentos existem?

O tratamento ao cancro de pele é quase sempre cirúrgico e, quando efectuado na fase inicial, em que o tumor ainda é muito fino (espessura inferior a 0,5mm), as taxas de cura são elevadas, dai a importância da vigilância do seu corpo. Já a quantidade de tecido normal removida vai depender da profundidade a que o tumor se encontra, se este estiver muito profundo, serão removidos também os gânglios linfáticos próximos.

Em alguns casos, os médicos optam por realizar a chamada cirurgia de Mohs, onde a pele é removida em camadas muito finas, procedendo-se à sua analise utilizando um microscópio para avaliar a existência de células cancerígenas. O procedimento cirúrgico só termina quando uma determinada camada não demonstre sinais de células cancerígenas.

Em alguns casos utiliza-se também tratamentos de radioterapia quando o tumor se localiza em locais onde não é possível fazer-se uma cirurgia ou para tratar reincidências do cancro. A quimioterapia geralmente é usada apenas para o controle da doença em estado avançado.

Regras básicas de prevenção

Mas nada melhor que tomar todos os cuidados a que temos acesso para evitar qualquer manifestação de cancro de pele, melhor que um corpo bronzeado é um corpo saudável. É sempre possível obter um bonito tom de pele seguindo algumas regras de defesa que são essências como:

  • Evitar a exposição ao sol no período em que os raios são mais fortes (10h às 16h.);
  • Começar a sua exposição ao sol por períodos pequenos nos primeiros dias e ir aumentando o tempo de forma gradual;
  • Mesmo durante o horário aconselhado de exposição solar, utilizar sempre protetor solar, chapéu, óculos de sol e guarda- sol;
  • Lembrar-se sempre de usar protector solar contra os raios ultravioletas, com factor de protecção igual ou superior a 15, cerca de 30 minutos antes de se expor ao sol. Ter em conta que a aplicação deste deve ser repetida durante a estadia na praia;
  • Se frequenta solários, respeite todas as regras de utilização segura, não exagere no tempo de cada sessão ou na frequência com que as realiza.

O essencial é criar estas rotinas de prevenção e disfrutar do sol e da sua energia.

Comentários recentes...