Crianças e a Exposição Solar - Cuidados a ter!

Crianças e a Exposição Solar

Crianças e a Exposição Solar

Crianças e a Exposição Solar

Todos sabemos que a exposição solar é importante, na medida em que esta promove a produção da vitamina D, no entanto, quando é em excesso e sem os devidos cuidados pode acarretar diversos riscos para a saúde.

Os raios ultra violeta fazem parte da composição da radiação solar e são filtrados quando atravessam a atmosfera, principalmente pela camada de ozono. Como esta camada tem vindo a diminuir, as consequências negativas dos raios ultravioleta tem aumentado muito.

Se os adultos têm de ter elevada atenção à exposição solar, imagine os cuidados que se devem ter quando se fala de crianças.
Sabe-se hoje que o risco de cancro de pele está directamente relacionado com a exposição aos raios ultravioletas de uma pessoa ao longo da sua vida, especialmente na etapa da infância.

Deste modo, os cuidados com a exposição solar devem começar desde a infância e prolongar-se ao longo de toda a vida. Até aos seis meses não é aconselhada qualquer exposição ao sol ou o uso de protector, uma vez que a pele das crianças é demasiado frágil.

Porque é necessária uma elevada protecção da pele na Infância?

Quando somos pequenos a nossa pele é mais fina e por isso mais sensível aos raios solares. Deve ter-se especial cuidado  devido a fragilidade da sua espessura que a deixa sujeita a danos mais profundos a nível celular,  pela sua capacidade de auto defesa ainda baixa e  pelo processo de pigmentação ser ainda pouco desenvolvido.

Sendo assim, não é aconselhável a nenhuma criança, seja qual for a sua idade, a exposição ao sol durante longos períodos de tempo.  O contacto com o sol deve ser restringido ao tempo das pequenas brincadeiras da criança, de um passeio junto ao mar, ou de um banho de piscina.

As crianças em maior risco são as de raça branca, com olhos claros e cabelos entre o loiro e o ruivo, pois pelas suas características físicas tendem a fazer queimaduras solares mais facilmente.

Conselhos de protecção

Aparentemente todos nós já sabemos que cuidados devemos ter com a exposição solar das nossas crianças, no entanto, nunca é demais ler sobre isso e actualizar o conhecimento. O cuidado mais evidente e aquele que é repetido constantemente nos diversos meios de difusão de informação  é o uso obrigatório de protector solar, pela importância que este tem na defesa da pele.

Sabia que existem dois tipos de protector solar?

O avanço técnico a nível da proteção solar promove o surgimento de produtos variados que visam o cuidado melhorado com a pele. No caso dos protectores solares existem no mercado dois tipos distintos.

A diferença entre os dois tipos de protector reside na natureza do filtro que os forma, uns têm filtro mineral e outros filtro químico.

Os de filtro mineral são constituídos por partículas de zinco e titânio e funcionam como película reflectora, ou seja, impedem que os raios penetrem nas camadas mais profundas da pele da criança. Devido à sua composição, estes tipo de cremes protectores de filtro mineral são difíceis de espalhar e deixam uma camada branca indisfarçável o que desmotiva a sua utilização. No entanto, são os mais aconselhados para as crianças.

Os cremes com filtros químicos, levam à absorção de uma substância pela pele que através de uma reacção química se transforma numa outra, com capacidade de absorção das radiações. Este tipo de protector solar deve ser colocado vinte a trinta minutos antes da exposição aos raios ultravioletas. O facto de a absorção de substâncias químicas poder levar à irritação da pele das crianças mais pequenas ou das que têm peles mais sensíveis, aparece como a característica que faz com que o uso deste tipo de protector seja desaconselhado para estas faixas etárias.

É importante ter em conta que , e tal como acontece com os adultos,  o uso do protector deve ser permanente e não apenas nas idas à praia ou à piscina.

Como no dia-a-dia é quase impossível evitar a separação entre as crianças e a exposição solar é  importante ter em atenção os seguintes cuidados:

1 – Usar protector solar de índice elevado (superior a 30). Nas crianças entre os seis meses e os dois anos é importantíssimo que o índice de protecção seja de 50+, sendo aconselhável um protector de filtro mineral e sem perfume. O modo de aplicação do protector é também muito importante, ainda hoje há os que acreditam que basta colocar o protector quando se chega à praia. Na realidade eles devem ser colocados ainda em casa e numa dose bem generosa. Já na praia deve repetir-se a sua aplicação de duas em duas horas, ou após uma ida à água. É também importante ter em conta que ao fim de 12 meses de aberta a embalagem o produto perde o efeito, logo já não se pode usar;

2 – Evitar a exposição solar entre as 11h00 e as 16h00 horas. Nesta altura do dia o sol incide verticalmente e os raios ultrapassam mais facilmente a camada de ozono, sendo a sua ação mais lesiva para a pele.

3 – Usar roupa protectora, que proteja o tronco os braços e as pernas. É aconselhável que a roupa seja de tom claro, pois a cor clara reflecte as radiações afastando um pouco o calor;

4 – Usar chapéu com abas para que proteja zonas sensíveis como a face, o nariz, as orelha e a nuca;

5 – Permanecer na sombra, especialmente quando as crianças são ainda muito pequenas;

6 – Dar água diversas vezes à criança para evitar a desidratação;

7 – Providenciar o uso de óculos de sol, com adequada protecção contra os raios ultravioletas;

8 – Ser um exemplo para os mais novos cumprindo todos os cuidados de protecção solar. Lembre-se que a criança aprende com o exemplo.

Comentários recentes...