O "monopólio" criado pelo Bronzeamento

O “monopólio” criado pelo Bronzeamento

O “monopólio” criado pelo Bronzeamento

O “monopólio” criado pelo Bronzeamento

Foi já referido no artigo “O impacto da indústria do bronzeamento no mundo feminino” que o bronzeamento foi potenciador de novos mercados, e consequentemente, a aparição de novos produtos.

Com a moda feminina a ter grande espaço dentro dos médias e com a mediatização do bronzeamento como nova tendência de beleza, surgiu uma oportunidade única para a indústria farmacêutica, de aproveitar o lanço negocial criando novos mercados e novas oportunidade de negócio.

Porque o bronzeamento artificial requer cuidados especiais com a pele, este foi um mercado quase milionário para a indústria farmacêutica. Não aproveitar a oportunidade que esta tendência abriu seria desperdiçar milhões no mundo da cosmética e perder mais um bom motivo nas vendas.

A verdade é que, se os produtos hidratantes e esfoliantes não fossem necessários para a prática do bronzeamento, acabariam por se esgotar nos primeiros anos de comercialização. O que a indústria farmacêutica fez foi aproveitar uma fraqueza que os produtos de bronzeamento apresentaram para colmata-lo, criando, desta forma, o verdadeiro produto complementar à prática do bronzeamento.

Existe uma relação necessária entre os produtos de bronzeamento e os produtos hidratantes ou esfoliantes da pele. Se a procura por produtos bronzeadores diminuir, estes sofrerão uma queda significativa nas vendas. O mesmo não acontece com produtos como esfoliante ou hidratante.

E porquê?

Porque estes produtos já existiam anteriormente no mercado, porém, adaptados aos cuidados diários a realizar pelo seu público. Nunca tinham sido introduzidos com outra necessidade.

O mercado do bronzeamento é um belíssimo exemplo de, como pode ser benéfico para uma empresa, produzir uma linha de produtos e aumentar as suas vendas, identificando uma necessidade e criando vários modelos de produtos que se complementam entre si.

Comentários recentes...